Operação Hefesto: carne, drogas, armas, munições, cheques e dinheiro na atuação da Polícia Civil

Nesta quarta-feira (6), a Polícia Civil de Santa Catarina prendeu o último alvo da Operação "Hefesto", em Araranguá. A prisão, realizada pela Divisão de Investigação Criminal de Criciúma, foi a sétima desde o início da operação. Na segunda fase da investigação, foram instaurados dois novos inquéritos, um para apurar o crime de usura pecuniária e outro por lavagem de dinheiro. No inquérito inicial, há apuração de crimes de receptação, furto de gado, compra e venda de armas e munições e organização criminosa.

Os cumprimentos dos sete mandados foram realizados por policiais civis de Urussanga, Cocal do Sul, Morro da Fumaça e da Coordenadoria de Operações e Recursos Especiais (CORE/PCSC) da Polícia Civil de Santa Catarina, como apoio do MPSC.

Primeira fase da operação No dia 16 de setembro, a Polícia Civil de Santa Catarina, através da Delegacia de Polícia de Morro da Fumaça, deu início à operação Hefesto, que visa cumprir diversas medidas cautelares decorrentes de duas investigações iniciadas em maio de 2021.

São apurados crimes de tráfico de drogas, associação para o tráfico, receptação, furto de gado, venda de carne de equinos/mula moídos para consumo humano, posse e venda de armas, venda de produto veterinário falsificado e organização criminosa.

Durante a primeira fase da operação, foram presas cinco pessoas em flagrante, duas por tráfico de drogas e associação para o tráfico, uma por desacato e duas por crime contra o consumidor e associação criminosa.

Além disso, foram apreendidos cerca de 520 quilos de carne, drogas, cinco armas, diversas munições, cheques e dinheiro.

LogomarcaMin2cm.jpg