• Aderbal Machado

Nada de Carnaval em 2022; ou vivemos uma emergência e precisamos cuidar ou não


A pandemia tem o tamanho dos comentários de quem trafega em duas vias: os que a reduzem e os que a ampliam.

A realidade, porém, é que o caso é grave ou nada do que se faz e fez até aqui valeu alguma coisa. Multiplicam-se odes à desgraça sanitária, exigir-se-á vacinação de reforço, passaporte sanitário, máscaras, álcool em gel, distanciamento até quando?

Ninguém sabe. A prática é ligada à narrativa dos catastrofistas e dos reducionistas.

Então, que sejamos ostensivos: se a cada jogo de futebol faz-se minuto de silêncio mostrando os números fatídicos da Covid, que se para com essa de querer realizar Carnaval em 2022. Suspendam logo. Ou a porcaria é séria ou não é. Não pode prevalecer só o que querem alguns prefeitos e alguns governadores, quando os fatos os contrariam ou os favorecem nos seus interesses.

Nada de Carnaval e fim. Chega de hipocrisia.

LogomarcaMin2cm.jpg