Masterplan Balneário Camboriú: um projeto ambicioso e com demandas enormes a serem resolvidas

As projeções, em palavras e imagens, demonstram um objetivo ambicioso para uma nova cidade. Se pudermos chegar lá, será a redenção, independente do tempo de realização. Afinal, por um lugar e num momento tem-se que iniciar. Que haja envolvimento devido e decisivo na sua concretização. Agora e depois. O projeto é do escritório do consagrado Jaime Lerner.


Avaliações técnicas, premissas, projeções e dados demonstrados:


FORÇAS


• Localização estratégica – região de grande crescimento econômico;

• Localização geográfica – proximidade com municípios economicamente importantes no estado de Santa Catarina, proximidade com Curitiba;

• Proximidade com o porto de Itajaí;

• Proximidade com o terminal aeroportuário localizado a XX Km, em Navegantes;

• Condições de parcerias estratégicas com municípios da região;

• Relevância do município nos planos nacionais e estadual de desenvolvimento turístico;

• Mercado imobiliário pujante;

• Oferta de comércio e serviços de alta qualidade;

• Presença de diferentes atrativos turísticos – natureza, cultural, lazer, entretenimento, negócios;

• Existência do Centro de Eventos;

• Existência de Planos visando melhorias na mobilidade urbana – Transporte, Viário e Cicloviário;

• Vida urbana mesmo na média ou baixa temporada;

• Baixíssima criminalidade;

• Patrimônio natural exuberante – mar, montanha e rios;

• Rico Patrimônio cultural – pesca, quilombo e arqueológico;

• Presença de áreas dotadas de ativos naturais e pouco adensadas;

• Cidade endereço de desejo para a população regional;

• Cidade endereço de desejo para jovens e idosos;

• Renda e poder de compra;

• População residente multicultural;

• Sociedade com alto índice de engajamento e participação.


FRAQUEZAS

Ordenamento territorial


• Estresses nas infraestruturas decorrentes das altas temporadas;

• Dependências de acordos multimunicipais para soluções relacionadas ao Saneamento Ambiental – drenagem, abastecimento de água, tratamento de esgoto, coleta e destino de resíduos sólidos;

• Pressão de ocupação sobre áreas naturais, rios e mata atlântica;

• Pressão de ocupação sobre áreas inadequadas - alagáveis e morrarias;

• Pressão de ocupação na região composta pela APA da Costa Brava;

• Assimetrias na ocupação (usos e densidades) do território;

• Alto custo de desapropriação em regiões já ocupadas e adensadas;

• Barreiras naturais e edificadas que compartimentam e desconectam o território – rios, morros e BR101;

• Perda/Transformação da paisagem natural;

• Revisão do Plano Diretor em atraso.


Conectividade


• BR 101 que corta o território;

• Transposições ao longo da BR insuficientes;

• Conflito de escala e de usuários nas transposições existentes;

• Inexistência de transposições da BR 101 voltadas aos pedestres e veículos não motorizados; • Malha viária congestionada;

• Custo de desapropriação para melhorias na malha viária;

• Transporte coletivo ineficiente;

• Necessidade de melhorias no transporte coletivo da praia Central;

• Rede cicloviária incompleta;

• Não aproveitamento do rio Camboriú como elemento de conexão territorial. Identidade e setor econômico

• Poucos atrativos nos segmentos de arte e cultura;

• Capacidade ociosa dos equipamentos turísticos em dias úteis;

• Centro de Eventos sem programação;

• Baixa integração socioeconômica com os grupos culturais: pesqueira e quilombola;

• A força do mercado imobiliário desconectada da construção civil dentro de uma cadeia produtiva de negócios, com a sistematização dessa expertise a divulgar saberes, práticas e técnicas;

• Poucos roteiros organizados que incluam transporte, comida e visitação aos atrativos;

• Falta de placas indicativas nas cidades próximas e de sinalização bilíngue;

• Sinalização insuficiente para atrativos;

• Inexistência de transporte turístico regular.


AMEAÇAS


• Colapso da BR 101, causando dificuldades na integração intermunicipal e efeitos diretos no setor de turismo;

• Estresse nas redes de infraestrutura nos períodos de alta temporada;

• Alagamentos na região nos períodos das grandes chuvas;

• Risco de poluição das praias provocado pelos municípios a montante dos rios que desembocam em BC ou por acidente no porto de Itajaí.


Premissas da Visão do Futuro


1. Valorização e gestão plena e integrada do patrimônio natural e cultural material e imaterial; das formas de expressão; os modos de criar, fazer e viver; atividades culturais, artísticas, criações científicas e tecnológicas, objetos, documentos, entre outros meios, de modo a promover o desenvolvimento socioeconômico da população.


2. Contenção da expansão urbana nas morrarias direcionando o crescimento urbano para áreas dotadas de infraestrutura, promovendo a ocupação de vazios urbanos e o adensamento dessas áreas.


3. Implantação de infraestrutura e aprimoramento da gestão do saneamento ambiental, de forma a garantir abastecimento de água regular, coleta e tratamento de esgoto sanitário, implementação de infraestrutura de manejo de águas pluviais, privilegiando os projetos integrados e as medidas presididas pelo viés da sustentabilidade.


4.Conferir à cidade de Balneário Camboriú um nível adequado de resiliência para alcançar segurança hídrica no abastecimento de água, controle de inundações decorrentes de eventos climáticos extremos, mitigação de riscos de escorregamento de encostas em áreas habitadas, coleta e tratamento de esgotos sanitários e destinação adequada de resíduos sólidos, evitando doenças relacionadas a falta de saneamento básico e à poluição dos corpos hídricos.


5. Adequação das questões hídricas ao desenho urbano da cidade, promovendo a preservação do rio Camboriú e afluentes, o resgate e a preservação do patrimônio histórico, das comunidades tradicionais e dos valores culturais presentes em suas margens, bem como, a preservação das margens e valorização dos corpos hídricos em geral, na busca de garantir, concomitantemente, maior resiliência ambiental e novas paisagens urbanas e espaços públicos para a população.


6. Promoção das potencialidades econômicas de todo território, valorizando os ativos turísticos relativos ao patrimônio natural, cultural, histórico e urbano, em prol do desenvolvimento do setor.


7. Promoção das estruturas de educação e saúde, urbanidade e localização estratégica de forma a atrair novos setores da economia e diversificar suas bases para o desenvolvimento.


8. Implantação de infraestrutura de mobilidade capaz de assegurar transversalidade e conectar diferentes bairros e vizinhança regional, incluindo os investimentos em transporte coletivo e adequações na BR 101, bem como em adequações do sistema viário visando priorizar os modos não motorizados.


9. Implantação de um modelo de desenvolvimento que busque consolidar uma rede de centralidades urbanas capaz de assegurar desenvolvimento com qualidade de vida nos diferentes territórios que compõem a cidade.


10. Consolidação de uma identidade cosmopolita, promovendo o conhecimento e o reconhecimento de sua geografia natural e urbana, como parte do sentido de pertencimento para seus habitantes.


11. Inclusão a sociedade civil organizada no processo de gestão incluindo decisões sobre o planejamento, formulação, orçamentação, implementação, monitoramento, avaliação e revisão de políticas públicas de interesse da população.


12. Consolidação da rede colaborativa dos municípios da região – A


Princípios de Ação e Visão de Futuro


• Promover as condições de Integração Territorial, de Desenvolvimento Regional;

• Criar parcerias regionais com capacidade competitiva nacional;

• Consolidação como cidade destino;

• Consolidação como lugar de desejo, atração de novos negócios e público jovem.

Diretrizes, Estratégias, Planos e Projetos

• Consolidação da Rede Colaborativa de Serviços de Educação e Saúde regional;

• Elaboração de Planos e Projetos de Saneamento Ambiental Regional;

• Elaboração de Projeto como alternativa Rodoviária Nacional sentido Norte/Sul – Contorno da BR 101;

• Plano de Transporte Integrado Regional – Opção Litorânea e opção via BR 101 reurbanizada após execução da alternativa de contorno.


Ideias força | Projetos Estratégicos


Planejamento físico territorial como contribuição para a diversificação da Matriz Econômica da cidade:


1. Parque da Orla Central

2. Costa Ecológica Interpraias

3. Nova Orla do Rio Camboriú

4. Balneário Parque de Inovação

5. Parque das Águas

6. Bairro da Barra, Arte e Pesca

7. Eixo da Ciência

8. BR Verde

9. Anel Ecológico Norte

(Imagens e dados extraídos do projeto)

LogomarcaMin2cm.jpg