Justiça começa a ouvir testemunhas e vítimas da chacina na creche de Saudades


Um dia após completar três meses da chacina na creche de Saudades, a Justiça dará início a oitivas de testemunhas e vítimas. Nesta quinta-feira (5), a partir de 13h30, seis vítimas e nove testemunhas contarão o que viram e viveram no dia do crime. Com exceção da equipe de trabalho e dos depoentes, ninguém terá autorização para permanecer na audiência, nem comunidade e nem imprensa, devido ao sigilo do processo.

Os trabalhos acontecerão na sala passiva do fórum da comarca de Pinhalzinho, onde tramita o processo. Não há tempo-limite estipulado para cada fala.

O juiz Caio Lemgruber Taborda presidirá a audiência online, de seu gabinete no fórum. O promotor de justiça também participará pela internet, de sua sala no Ministério Público. Da mesma forma será a participação do advogado de defesa, que estará em seu escritório. Todos estarão em vídeo no aparelho de televisão instalado na sala para interação imediata com o entrevistado. A organização diferenciada se deve em virtude das normas de segurança sanitária devido à pandemia de Covid-19.

Outra audiência será realizada nos mesmos moldes no próximo dia 24. Após o Poder Judiciário ouvir outras 14 testemunhas de acusação, será a vez do depoimento do agressor. Ele falará por videoconferência da sala passiva do Presídio Regional de Chapecó, onde está recolhido desde que recebeu alta hospitalar, oito dias após o crime.

O CRIME - Na manhã do dia 4 de maio deste ano, o acusado ingressou em uma creche no município de Saudades e, com uma espécie de espada, golpeou fatalmente duas professoras e três bebês. Outra criança, também com menos de dois anos, foi socorrida e se recupera junto aos familiares.

LogomarcaMin2cm.jpg