Já se vão oito anos do início da construção e três da "inauguração" do Centro de Eventos de BC

Relembrando circunstâncias envolvendo o Centro de Eventos de Balneário Camnoriú:


No último dia 2 de agosto, por unanimidade, o pleno do TCE/SC ratificou a decisão singular do conselheiro Luiz Eduardo Cherem, que suspendeu o edital de licitação do Centro de Eventos de Balneário Camboriú. A Corte de Contas apura possíveis irregularidades no processo de concessão ao apontar falta de qualificação técnica da empresa vencedora da concorrência, que tem experiência na exploração de serviços de fornecimento de bebida e comida, mas não na administração de empreendimentos, exigência que faz parte do edital.


Em dezembro de 2019, o TCE/SC havia encaminhado ao governo estadual orientações com recomendações relacionadas ao plano de negócios, ao fluxo de caixa, ao conteúdo do edital e à minuta do contrato.


O projeto de construção do Centro de Eventos começou entre 2013/2014 e lá se vão oito anos. Mas a ideia vem de mais longe. O que dizia a exposição técnica da empresa autora do projeto:

ARK7 Arquitetos

Nome do projeto: Centro de Eventos de Balneário Camboriú

Localização: BR 101 km 137, Balneário Camboriú – Santa Catarina - Brasil

Ano de projeto: 2013 - 2014

Área do terreno: 70.545,00m²

Área do projeto: 90.057,20m²

Tipo de projeto: Institucional

Cliente: Prosul Projetos, Supervisão e Planejamento Ltda.

Descrição:

A proposta para o Centro de Eventos de Balneário Camboriú surgiu da necessidade de um espaço amplo e organizado para realização de convenções na região.

Localizado em frente ao Complexo Ambiental Cyro Gevaerd – Zoológico de Balneário Camboriú, às margens da BR 101, o projeto inclui também o redesenho do entorno com a criação de praças e alamedas de acesso ao zoológico e ao centro de eventos, além dos equipamentos de apoio necessários ao bom funcionamento desse tipo de empreendimento.

A nave principal do projeto é composta por módulos internos, dois laterais e um central, que organizam a planta e separam os três pavilhões de exposição. Os módulos laterais possuem principalmente espaços de apoio e administração, enquanto no módulo central estão localizadas as salas de convenções, lojas e praça de alimentação. O sistema estrutural é metálico treliçado apoiado sobre pilares de concreto em formato cruz que vencem o vão de 96,25 metros. Esse sistema possibilitou projetar, nos 375 metros de fachada leste e oeste, panos de vidro e brises fixos de controle solar, propiciando a entrada de iluminação natural aos ambientes internos.

Além da iluminação natural vinda das fachadas em vidro da orientação leste e oeste, projetaram-se sheds na cobertura - orientados a sul - propiciando uma iluminação difusa e auxiliando na saída de ar quente do sistema de climatização interno. Esse último sistema foi projetado para se aproveitar ao máximo o uso de ar natural, onde este é captado através de totens posicionados nas fachadas leste e oeste, redirecionado para túneis subterrâneos de resfriamento e distribuído aos ambientes internos através de placas de piso elevado para insuflamento do ar.


Pois o Centro foi “inaugurado” em 23 de dezembro de 2018, com presença do ministro da Casa Civil e do ministro do Turismo. Na verdade, nem era inauguração, mas uma fantasia para envolver mais apoio.

Depois, houve a previsão de que estaria pronto de verdade em meados de 2019.

Pifou de novo.

Depois, tantas vezes quantas se tentou licitá-lo, complicações surgiram em volume igual, até a derradeira, exposta no início desta matéria.

Portanto, outra vez, resta olharmos com olhos de desconfiança. O projeto não se concluirá como estava inicialmente previsto. Há toda uma inviabilidade visível: se em oito anos, praticamente pronto, restante uma coisinha aqui e outra ali, nada ocorreu de melhor, difícil crer que isso mudará.

Em anexos, imagens espetaculares. Só pra gente alimentar mais um pouquinho nossa ilusão:


LogomarcaMin2cm.jpg