• Aderbal Machado

Governo Federal assegura ajuda a atingidos pelo vendaval em SC

O secretário nacional de Proteção e Defesa Civil, coronel Alexandre Lucas Alves, discutiu com representantes do governo do estado sobre apoio aos atingidos pelo ciclone e disse que o Governo Federal não vai poupar esforços para auxiliar a população. “Estamos aqui por recomendação do presidente Jair Bolsonaro e do ministro Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional), para que, de imediato, tomemos conhecimento de todas as necessidades que o Governo Federal pode auxiliar no apoio aos catarinenses”, disse.

“O objetivo é conhecer todos os problemas decorrentes do desastre do ciclone e levar os recursos necessários à reconstrução das áreas afetadas e coordenar o Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil, sobretudo, o sistema federal de defesa civil, identificando oportunidades para que os outros ministérios também possam apoiar o estado e os municípios”, informou.

O Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil é formado pela administração pública federal, estadual e municipal e por entidades públicas e privadas.

O secretário disse que é preciso avaliar os danos para liberação dos recursos e explicou que há dois tipos de repasse: os de restabelecimento e os de reconstrução. O primeiro é uma ajuda para um caso mais pontual, quando o dinheiro chega mais rápido. Para reconstrução, são necessários projetos com avaliação dos danos.

“O recurso de restabelecimento é mais rápido porque não demanda projetos complexos. Os recursos de reconstrução, até por uma questão da complexidade do próprio levantamento de danos e do projeto de reconstrução e da definição de seus custos, demoram um pouco mais. E vamos depender exatamente da capacidade que os municípios e o estado têm de fazer esse levantamento e nos mandarem”, disse.

O secretário anunciou que a Defesa Civil Nacional, de maneira inédita, vai criar um canal permanente de capacitação e consultoria aos municípios afetados por desastre natural. Esse canal vai disponibilizar técnicos durante todos os dias, a qualquer hora, para esclarecer dúvidas dos gestores sobre a liberação dos recursos.

“Por exemplo, os municípios vão poder mostrar uma foto para saber se isso é reconstrução ou restabelecimento e o que fazer. Detalhes pequenos que, às vezes, prorrogam muito a liberação dos recursos. Estamos inovando. Vai ser uma experiência nova. É um canal direto para que a gente possa liberar os recursos mais rápido”, informou o secretário.

Ciclone

Santa Catarina foi um dos estados mais atingidos na região, sendo que 152 municípios registraram danos. O governador Carlos Moisés decretou estado de calamidade pública.

Segundo a Secretaria de Infraestrutura e Mobilidade de Santa Catarina, as fortes chuvas e vendavais que afetaram o estado fizeram muitos estragos. Pelo menos 25 rodovias tiveram impacto de obstrução parcial ou total.

O ciclone também trouxe impacto grande para a rede escolar: cerca de 230 escolas tiveram a estrutura afetada e pelo menos 3,2 mil unidades habitacionais foram atingidas.

Entre os dias 30 de junho e 1º de julho, o Corpo de Bombeiros recebeu 4.935 chamadas pelo 193. No mesmo período, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), teve 1.257 chamadas.

Equipes da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil (Sedec), do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), vêm acompanhando, desde as primeiras ocorrências, a situação das chuvas e vendavais nos estados do Sul. Equipes do Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cenad), da Defesa Civil Nacional, estão em contato permanente com as defesas civis locais para a emissão de alertas, avaliação de riscos e de danos já provocados.


LogomarcaMin2cm.jpg