• Aderbal Machado

Gasto com educação e saúde de Balneário quase triplicou ou mais que quadruplicou em 10 anos


Um exame superficial comparativo entre os anos de 2016 até 2020 das despesas de Balneário Camboriú com saúde, educação e pessoal mostram números que merecem análise.


Se compararmos o período de 2010 ou 2011 até aqui os números sugerem mais ainda avaliações de entendidos ou curiosos.

Bom dizer, para explicar o título, considerada a sua realidade informativa: o volume de despesas com educação e saúde correspondeu à evolução igual da arrecadação, no período de 10 anos.

Vejamos:


DESPESAS COM EDUCAÇÃO

Em 2010 – R$ 68.620.291,95 (26,73% de 25% mínimos exigidos do orçamento)

Em 2016 – R$ 152.431.111,90 (33,24%)

Em 2017 – R$ 170.628.546,00 (33,80%)

Em 2018 – R$ 191.628.621,76 (31,91%)

Em 2019 – R$ 205.220.914,63 (29,81%)

Em 2020 – R$ 201.714.890,02 (percentual indisponível)


DESPESAS COM SAÚDE

Em 2010 – R$ 53.850.453,52 (21,20% de 15% mínimos exigidos do orçamento)

Em 2016 – R$ 151.905.044,83 (30,36%)

Em 2017 – R$ 168.846.872,29 (32,45%)

Em 2018 – R$ 185.317.104,00 (29,55%)

Em 2019 – R$ 220.006.290,98 (32,35%)

Em 2020 – R$ 244.220.916,12 (percentual indisponível)


DESPESAS COM PESSOAL

2010 – Limite máximo alcançado de comprometimento: 38,00% do orçamento

2016 – 51,12%

2017 – 52,82%

2018 – 52,06%

2019 – 46,59%

2020 – 49,44%

O limite máximo de gasto com folha, pela lei, é de 54% do orçamento.


Em 2011, segundo dados do TCE, a ocupação máxima de cargos na Prefeitura chegou a 3.229 servidores.

Em 2016, 4.687

Em 2017, 4.247

Em 2018, 4.172

Em 2019, 4.182

Em 2020, 4.294


O orçamento municipal, em 2016, era de R$ 750.569.457,44. Para 2021, de acordo com lei aprovada pela Câmara Municipal, a previsão é de R$ 1.166.898.261,00. Com perspectiva de déficit orçamentária previsto de R$ 81.322.000,00.


LogomarcaMin2cm.jpg