• Aderbal Machado

Fiesc propõe terceira faixa na BR-282/Lages e Florianópolis, para garantir mais segurança e fluidez


A Federação das Indústrias (FIESC) lançou o projeto BR-282 + Segura e Eficiente, proponto um conjunto de obras, estimada em R$ 192,9 milhões, para melhorar a segurança e a fluidez do trecho que vai de Lages a Florianópolis.


Entre as propostas estão a implantação de 68,9 km de faixas adicionais em locais onde ocorrem as ultrapassagens mais perigosas; readequações em interseções; relocações de sarjetas de drenagens e reforço da sinalização.


". A cada dois dias ocorre um acidente grave, por vezes com mortes”, disse o presidente da FIESC, Mario Cezar de Aguiar. “Precisamos resolver rapidamente essa questão sob a ótica humanitária e também para melhorar a fluidez, a competitividade e atividade turística no estado”, salientou.


A ação está no âmbito do projeto Humanização das Rodovias Catarinenses, que tem o objetivo de contribuir para o planejamento e a melhoria da segurança e da fluidez do sistema rodoviário catarinense. Projetos de engenharia rodoviária mostram que duplicar o trecho da rodovia que vai de Lages a Florianópolis tem custos elevados para execução das obras, principalmente em função do relevo. Contudo, a análise da Federação sugere medidas pontuais, em trechos mais críticos, que no curto prazo podem melhorar muito a segurança e a fluidez da rodovia. Comparadas às obras de duplicação, as faixas adicionais são melhorias de baixo custo e menor impacto ambiental, mas que aumentam a qualidade do serviço ao usuário.


A análise da Federação, realizada pelo engenheiro Ricardo Saporiti, mostra que os investimentos estimados - numa etapa inicial nos segmentos prioritários, entre Santo Amaro da Imperatriz e Alfredo Wagner, cujas terceiras faixas já estão projetadas -, é de aproximadamente R$ 46 milhões. Eles reduzirão substancialmente o elevado índice de acidentes, assim como os custos operacionais aos usuários da rodovia. Numa etapa seguinte, podem ser incluídos os projetos executivos e a execução dos demais segmentos (aproximadamente 52,5 km), com investimentos estimados em R$147 milhões.


Durante a análise, identificou-se a necessidade urgente de elaborar um Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA) e projetos executivos do traçado da BR-282/SC entre o km 6 (interseção da Via Expressa com a BR-101/SC) e o perímetro urbano de Santo Amaro da Imperatriz. O traçado atual (região do Sul do Rio) foi improvisado na década de 1980 sobrepondo a rodovia estadual então existente.


Acidentes: Estatísticas da Polícia Rodoviária Federal (PRF-SC) apontam a ocorrência média de 2,157 acidentes por dia e de uma lesão grave ou morte (no local) a cada 2 dias. Os dados são do período de 2017 a 2020 e consideram os kms 15,0 (Palhoça) a 240 (Lages).

Mario Cezar de Aguiar citou a constituição, por iniciativa da FIESC, do grupo de trabalho Rodovias Oeste SC do Futuro, que buscará soluções para os problemas de mobilidade da região.


O evento contou com a participação de políticos e representantes de órgãos públicos ligados ao transporte: Thiago Augusto Vieira, Secretário de Estado da Infraestrutura e Mobilidade, representando o governador Carlos Moisés; Esperidião Amin, Jorginho Melo e Dario Berger, senadores; Ronaldo Carioni, superintendente do DNIT em Santa Catarina; André Saul do Nascimento, superintendente da Polícia Rodoviária Federal (PRF) em Santa Catarina; Ângela Amin e Carmem Zanotto, deputadas federais e João Amin, deputado estadual.

LogomarcaMin2cm.jpg