• Aderbal Machado

Ex-vereador da Capital e sua irmã são condenados à prisão por acusação de lavagem de dinheiro

A 1ª Vara Criminal da comarca da Capital condenou o ex-vereador da capital, Marco Aurélio Espíndola, o Badeko, e sua irmã, Karolina Machado, às penas, respectivamente, de oito anos de reclusão e 24 dias-multa e três anos e seis meses de reclusão e pagamento de 11 dias-multa, ambos incursos em delito previsto na Lei de Lavagem de Dinheiro. Na mesma sentença, prolatada pelo juiz Renato Guilherme Gomes Cunha, determinou-se a perda de imóvel localizado na Costa da Lagoa, adquirido com recursos espúrios, bem como do valor obtido com a venda antecipada de uma lancha, ambos em favor do Estado de Santa Catarina, conforme preceitua a legislação em vigor. O valor do imóvel ainda será apurado em avaliação para posterior realização de hasta pública.

“Em simples cálculo aritmético entre os rendimentos do réu e as operações financeiras realizadas, chega-se a uma diferença de R$502.471,87 em movimentações financeiras, quase o mesmo valor dos seus rendimentos”, afirma o magistrado na sentença. A ação surgiu de um desdobramento da operação denominada “Ave de Rapina”, investigação de combate à corrupção amplamente divulgada no Estado, deflagrada na manhã do dia 12 de novembro de 2014 pela Polícia Federal, com o apoio do Ministério Público. Enquanto o regime para cumprimento de pena do ex-vereador foi fixado no semiaberto, a ré teve sua pena privativa de liberdade substituída por restritivas de direitos, com prestação de serviços comunitários pelo período da condenação e prestação pecuniária de dois salários mínimos em favor de entidade pública ou privada com destinação social. Ambos podem interpor recursos em liberdade, condição em que responderam ao trâmite regular do processo (Autos n. 0016451-66.2015.8.24.0023).

LogomarcaMin2cm.jpg