• Aderbal Machado

E a rede de esgoto de Camboriú? Para virar realidade só mudando o contrato de concessão do serviço

Em Camboriú, a implantação do sistema de esgotamento sanitário é considerada a principal solução para a despoluição do rio que abastece Camboriú e Balneário Camboriú. Mas o contrato de concessão do serviço na cidade prevê que é a prefeitura a responsável por sua implantação. A concessionária está tentando repactuar o contrato e assumir a obra. Por que é tão complicado?

Investimentos em saneamento básico estimulam o turismo, despoluem os mananciais hídricos e impactam diretamente na cadeia econômica local. Uma das justificativas apontadas pelos especialistas para explicar este estímulo é a despoluição de rios, lagos e mares. Segundo dados do Instituto Trata Brasil, se o serviço de saneamento básico no país fosse universalizado, o país teria um ganho de R$ 7 bilhões por ano com o turismo. Além disso, conforme a Organização Mundial da Saúde (OMS), cada R$ 1 investido em saneamento gera a economia de R$ 4 na saúde.

Em Camboriú, a implantação do sistema de esgotamento sanitário é considerada a principal solução para a despoluição do rio que abastece Camboriú e Balneário Camboriú. Enquanto a cidade vizinha caminha para a universalização do sistema de captação e tratamento de esgoto, Camboriú ainda não dispõe do serviço. “A implantação imediata resultaria na melhora gradativa e continuada dos índices de despoluição do rio Camboriú, trazendo inúmeros benefícios ao meio ambiente, à qualidade de vida e ao potencial econômico da cidade”, explica o diretor executivo da Águas de Camboriú, Gabriel Buim.

Embora o contrato de concessão de saneamento vigente preveja que o sistema de coleta e tratamento de esgoto seja implantado pela prefeitura e operado pela Águas de Camboriú, a concessionária se colocou à disposição para investir também na implantação da obra. “Diante do alto valor necessário para a construção de uma Estação de Tratamento de Esgoto (ETE), mais de 300 quilômetros de rede e dezenas de estações elevatórias, e atenta à histórica demanda em ter uma cidade saneada, oferecemos nossos esforços e capacidade de investimento para que Camboriú avance nesta questão”, explica a presidente da Águas de Camboriú, Reginalva Mureb.

Uma audiência pública promovida na sede do Executivo Municipal aprovou, em outubro de 2019, a proposição da concessionária em assumir também a implantação do sistema de esgoto. Para que isso ocorra, no entanto, é necessário que o município repactue o contrato vigente junto à agência reguladora.

O projeto para a implantação do sistema está pronto e já foi apresentado ao Executivo Municipal e ao Comitê de Bacia do Rio Camboriú.


A obra demanda mais de R$ 100 milhões, entre estação de tratamento, elevatórias e rede de captação. Se repactuado o contrato, a Águas de Camboriú investirá recursos próprios da concessionária, com a possibilidade de começar a aplicar imediatamente na implantação do sistema.


FOTO: LUCIANO ANTUNES

TEXTO: BURITI ASSESSORIA

LogomarcaMin2cm.jpg