• Aderbal Machado

COVID EM SC: Casos ativos mostram redução e soma de recuperados aumenta


Há, em Santa Catarina, 1.091.516 pacientes com confirmação de infecção pelo novo coronavírus. Desses, 1.056.857 são considerados recuperados e 17.088 continuam em acompanhamento.

O dado foi divulgado neste domingo, 18. Desde o início da pandemia, 17.571 óbitos foram causados pela doença respiratória. Com isso, a taxa de letalidade é de 1,61%.

Houve mais 25 óbitos registrados em relação ao último boletim. Aos casos confirmados se somaram 711, enquanto a estimativa de recuperados aumentou 1.630. O número de casos ativos registrou uma redução de 944.

LEITOS

Dos 1.522 leitos de UTI Adulto existentes pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em Santa Catarina, há 1.288 ocupados, sendo 745 por pacientes com confirmação ou suspeita de Covid-19. A ocupação é de 84,6%.


Foz do Rio Itajaí:

Casos confirmados: 114.843 (15.694 por 100 mil hab.)

Casos ativos: 2.312 (316 por 100 mil hab.)

Óbitos: 1.949 (266 por 100 mil hab.)

Recuperados: 110.582


Balneário Camboriú:

24.825 confirmados, 332 ativos, 24.117 recuperados e 376 óbitos

Camboriú: 12.741 confirmados, 158 ativos, 12.425 recuperados e 158 óbitos

Itajaí: 34.772 confirmados, 1.085 ativos, 32.993 recuperados e 694 óbitos

Itapema: 12.021 confirmados, 70 ativos, 11.713 recuperados e 238 óbitos


MAPA DE RISCO

A Matriz de Risco Potencial para a Covid-19 divulgada pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), neste sábado, 17, segue apontando melhora nos índices. O mapa desta semana aponta nove regiões em estado grave (cor laranja) e outras sete em nível gravíssimo (cor vermelha). Na semana passada, os dados mostravam oito regiões em cada nível.

As regiões que apresentaram melhora, comparadas com a semana passada, foram as do Alto Vale do Itajaí e Extremo Sul Catarinense, que agora deixam o nível gravíssimo para o grave. As regiões do Alto Uruguai Catarinense, Planalto Norte e Serra Catarinense mantiveram a tendência da semana passada e continuam na cor laranja. As regiões que estão no maior nível de risco são Xanxerê, Laguna, Médio Vale do Itajaí, Alto Vale do Rio do Peixe, Carbonífera, Foz do Rio Itajaí e Nordeste.


Para a cientista de dados Bianca Vieira, no entanto, os dados seguem projetando a esperança de dias melhores. “A matriz mostra, sim, uma ampliação de melhora que está expressada pela baixa na ocupação de leitos UTI, inclusive com lista de espera zerada, e o aumento da velocidade de vacinação em todo o estado.


A situação ainda é de observação em todos os locais, principalmente até que a segunda dose ou dose única estejam em percentagem maior que 50%. Todavia, os sinais são bastante positivos e mostram que os esforços do governo e da sociedade finalmente começam a aparecer nos indicadores”, finalizou.

LogomarcaMin2cm.jpg