• Aderbal Machado

Congresso aprova projeto que cria política de ajuda ao setor carbonífero de Santa Catarina

Com natural euforia, o senador Esperidião Amin fala sobre a aprovação do projeto que cria política de ajuda ao setor carbonífero de Santa Catarina "Santa Catarina teve uma importante conquista nesta quinta-feira (16) com a aprovação, no Senado Federal, do projeto de lei 712/2019, de nossa autoria, que cria uma política de ajuda ao setor carbonífero de SC. Ou seja, ela amplia subvenção a distribuidoras de energia de pequeno porte. A proposta segue agora para sanção presidencial.

Vale destacar que esta conquista é de toda a bancada federal catarinense, que teve importante participação nesta proposta. Na última segunda-feira, foi aprovado na Câmara, o substitutivo apresentado pela relatora, deputada Geovania de Sá. A alteração do projeto, além de instituir subvenção econômica às concessionárias do serviço público de distribuição de energia elétrica de pequeno porte, permite a continuidade da atividade econômica gerada pela cadeia produtiva do carvão até pelo menos 2040.

Além disso, foi acatado a emenda do deputado Ricardo Guidi, que cria o Programa de Transição Energética Justa (TEJ), que tem o objetivo de preparar a região carbonífera de Santa catarina para provável encerramento da atividade de geração termelétrica sem abatimento de CO2, a carvão mineral nacional até 2040, com consequente finalização da exploração deste minério de forma tempestiva, responsável e sustentável.

Nesta quinta, o senador Dário Berger pediu urgência ao projeto que acabou sendo pautado na última sessão do Senado, em 2021. Jorginho Mello, outro senador catarinense, acabou relatando a proposta.

Subvenção O PL 712/2019 também prevê subvenção econômica da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) para subsidiar tarifas de consumidores de energia elétrica de distribuidoras com mercado próprio anual inferior a 350 gigawatts hora (GWh). Esta subvenção garante modicidade nas tarifas de pequenas distribuidoras de energia, para que os preços não sejam superiores às tarifas de concessionárias de áreas adjacentes com mercado próprio anual superior a 700 GWh, quando localizadas no mesmo Estado.

Ainda pelo texto, a concessionária de distribuição que adquirir outra com mercado próprio inferior a 700 GWh/ano para a qual cede energia, total ou parcialmente, terá direito por 10 anos a 25% da subvenção proposta. Hoje isso já ocorre com a subvenção existente para cooperativas de eletrificação rural".

LogomarcaMin2cm.jpg