Comissão de Direitos Humanos da Assembleia vai avaliar excesso da Guarda Municipal de Itajaí


Comissão de Direitos Humanos (CDH) da Assembleia Legislativa de SC avaliará o excesso de agentes da prefeitura de Itajaí (Guarda Municipal), inclusive o crime de tortura.

Foi o deputado Bruno Souza (Novo) quem trouxe a ocorrência ao plenário do Legislativo estadual.

“Um jovem de 17 anos que estava vendendo alfajores na rua para conseguir pagar um curso que ele queria fazer para se capacitar. Ele tem um irmão de 12 anos com câncer e parte dos alfajores que vende é para ajudar o irmão. Uma pessoa honesta que tem seu trabalho criminalizado pelo estado; e o estado transforma o crime em seu trabalho”, disse Bruno, leventando a necessidade de repensar as leis.

“Fiquei chocada, a resposta que a prefeitura deu é que está sendo investigado. Quero propor que acompanhemos isso de perto, não só pela situação pessoal, mas estamos falando do trabalho informal, milhões de brasileiros estão tendo de ir para rua buscar o sustento da forma como conseguem”, advertiu Luciane Carminatti (PT).

“Empreendedorismo é o cidadão sair da inércia, fazer um produto e vender, os cursos de empreendedorismo são isso aí”, destacou Marcius Machado (PL), que repudiou a ação considerada excessiva da Guarda Municipal de Itajaí.

“Se fosse um bandido até justificaria um tapa na cara, um estrangulamento, mas o cara estava trabalhando, deixa o cara trabalhar”, afirmou Jessé Lopes (PSL).

VÍDEO DA OCORRÊNCIA (CÂMERA DE VIGILÂNCIA DO LOCAL)


LogomarcaMin2cm.jpg