• Aderbal Machado

A segurança nossa de cada dia precisa se aperfeiçoar, se a impunidade do sistema permitir

A segurança pública tem várias faces e inúmeras carências em Balneário Camboriú. Fala-se muito em "sensação de segurança" e em "polícia inteligente". Verdade que, estatisticamente, estamos à frente de muitas cidades de igual porte e condições sociais. Porém, há bolsões e situações a serem atendidos e com rapidez.

Há dias, traficantes foram surpreendidos pela PM em plena Praia Central, quase na Praia Tamandaré (centrão do centrão, inclusive com base da GM ali), fazendo tráfico aberto, escancarado. Ali, onde, hipoteticamente, a segurança é mais presente e onde a visibilidade do delito é maior. A prova que isso não assusta - câmeras de vigilância, presença eventual de polícia e guarda, etcétera, etcétera. Outro sinal é a prisão constante, quase diária, de elementos com mandados de prisão em aberto - portanto criminosos soltos por aí e sabe-se lá por qual e por quantos tipos de delitos em suas fichas. Se estão aqui, apesar de (certamente informados disso) saber da presença da polícia e das câmeras, demonstram destemor e pouco caso. Talvez - é uma realidade institucional do Brasil - confiantes na inimputabilidade de alguns (menores) e na impunidade pura e simples gerada pela fragilidade das leis e do sistema penal como um todo. O final disso é a vulnerabilidade do cidadão e da cidadania.

Há pelo menos outros casos em andamento e ainda não resolvidos - e de resolução complicada: a presenças de ladrões que, livres de ameaças, circulam pelas ruas nas madrugadas, mesmo as bem centrais, porém desertas, invadem até apartamentos entrando por portas de garagens ou muros próximos. A imagem mostrada em anexo aconteceu nesta semana na Rua 901. Vejam a facilidade de entrada e saída. O autor da imagem é a própria vítima, cujo nome omitimos de propósito, mas que afirmou ter o ladrão levado dinheiro e assustado muito a familia, que estava presente. Não se pode considerar isso uma mera exceção ou um "caso isolado", por que não é. É muito grave.

Vêm em seguida os vândalos e pichadores, que maculam prédios particulares e públicos, em locais vigiados por câmeras de vigilância e, novamente, em pleno centrão supostamente bem policiado.

A pichação no prédio dos Correios da Rua 1401 (Edifício Navaraí), com a sigla de uma organização criminosa é um fato.

O outro é a pichação do monumento da Praça Kurt Amann, na Avenida Atlântica (imagem). Com câmeras de vigilância mostrando e tudo.

Novamente o destemor e a certeza da impunidade. Até quando e até onde vai isso?


CENAS DA INVASÃO DO APARTAMENTO DA RUA 901



LogomarcaMin2cm.jpg