A recomendação é para não fazer lockdown em Santa Catarina, ao menos neste momento, segundo o COES


O Centro de Operações de Emergência em Saúde (Coes) descartou lockdown neste momento em Santa Catarina e propôs novas ações para deter o contágio no estado, em reunião ampliada nesta quarta-feira, 17. A proposta agora será encaminhada ao governador Carlos Moisés para deliberação.


Os técnicos recomendaram novas ações para o enfrentamento da Covid-19 no Estado, como multas, horários diferenciados e uma atenção ainda maior durante a Páscoa. Foram sugeridos fechamentos mais rígidos para regiões mais graves. Mas o grupo técnico desconsiderou a hipótese de um lockdown no estado. As recomendações foram pontuadas na proposta final, que será entregue ao governador. Durante sua fala, o secretário da Saúde, André Motta Ribeiro, explicou a importância da recente criação dos Centros Integrados de Saúde nas regiões Oeste e Grande Florianópolis. “Estamos trazendo novamente o Centro de Operações de Emergência em Saúde (Coes) para o debate sobre o cenário da pandemia. Não há mais espaço para discussões políticas e esse não é um Fórum para imputar a responsabilidade sobre os gestores sejam eles estaduais ou municipais”, afirmou.


O superintendente de Vigilância em Saúde da SES, Eduardo Macário, destacou que a região Oeste apresenta estabilização, assim como a Grande Florianópolis, embora ainda com números elevados de infectados.

O Coes

Criado para coordenar as ações de enfrentamento à COVID-19, desde o início da pandemia, o Coes propõe notas técnicas, portarias, regramentos sanitários e soluções em conjunto para combater o Coronavírus em Santa Catarina. Como estipulado na Portaria 179, o Centro tem caráter consultivo e deliberativo e seus integrantes são indicados por meio de expediente subscrito pelo dirigente de sua respectiva área e designados por portaria do secretário de Estado da Saúde. O colegiado é formado por:

  • Gabinete do Secretário Estadual de Saúde;

  • Assessoria de Comunicação;

  • Superintendências de: Gestão Administrativa, Planejamento em Saúde, Vigilância em Saúde, Hospitais Públicos Estaduais, Serviços Especializados e Regulação, Urgência e Emergência;

  • Diretorias de: Educação Permanente, Urgência e Emergência, Atenção Primária, Assistência Farmacêutica, Articulação Regional, Vigilância Sanitária, Vigilância Epidemiológica;

  • Gerências de: Saúde Ambiental/Vigidesastres, Centro de Informações e Assistência Toxicológica, Regulação Estadual e Internação Hospitalar, Meio Ambiente e Produtos/LACEN, Biologia Médica/LACEN, Vigilância de Zoonoses e Acidentes Por Animais Peçonhetos e Doenças Transmitidas por Vetores/DIVE;

  • Laboratório Central de Saúde Pública;

  • FECAM;

  • COSEMS;

  • Conselho Estadual de Saúde;

  • COREN;

  • FEHOESC;

  • FEHOSC;

  • AHESC;

  • Ministério da Saúde

  • Ministério Público;

  • Defesa Civil;

  • GRAC.

Foto: Ricardo Wolffenbüttel / Secom

LogomarcaMin2cm.jpg